sexta-feira, 15 de fevereiro de 2008

Chorando sobre o leite derramado


É bem como diz aquele velho ditado: "não adianta chorar sobre o leite derramado". Diante da notícia do fechamento da Delegacia Regional de Polícia, sediada em Santiago e que tinha como titular o delegado-artista Nenito Sarturi ou José Ataídes Sarturi. Na época em que Olívio Dutra (PT) era governador, a tal DRP havia sido transferida para Santa Maria. No Governo seguinte, de Germano Rigotto, eis que a Delegacia Regional reabre em Santiago, mantendo o seu titular antigo, o delegado Sarturi. Claro que o fato dele possuir filiação no mesmo partido do então governador tenha sido uma mera coincidência. Mas agora quem dá as cartas é Yeda Crusius, do PSDB. E foi ela quem decidiu fechar todas as seções consideradas inoperantes ou desnecessárias, com o justo propósito de enxugar a máquina.

É certo que se a Delegacia Regional de Polícia sediada em Santiago tivesse uma atuação que justificasse a sua continuidade, não estaria fechando as portas. É certo que antes de estar encerrando atividades, a equipe do Governo tenha feito uma avaliação das demandas de cada uma dessas sessões, verificando quais as que tinham razão de existir.
E se, durante os quatro anos do governo Olívio, tudo se manteve sem ela por aqui e nos anos seguintes, pouco mudou com o seu retorno, creio que a governadora nada mais faz do que cumprir o seu papel como gestora. É para isso que foi eleita.

Retorno ao dito do "leite derramado". O colega Júlio Prates citou a luta do recém-criado Corede Vale do Jaguari para manter a Delegacia Regional. Tudo bem, o Corede busca fazer o seu papel. Mas, agora pergunto: em todos esses anos, diante das mais variadas movimentações populares de Santiago (Corede, URI, Ruben Lang etc...), onde é que a nossa Delegacia Regional de Polícia esteve inserida? (Festival de Música não vale!)

Será que ela era realmente necessária? Será que ela cumpria um papel essencial que justificasse os altos salários que mantinha? Ou, melhor, "o" alto salário, no caso, de seu titular?
Quem fizer uma pesquisa no Google, submetendo o nome de Nenito Sarturi (ou José Ataídes Sarturi) não encontrará referências de sua profissão de delegado em compensação, saberá de suas atividades artísticas como músico e compositor. Nada contra, como delegado regional de polícia é mais do que certo que Nenito Sarturi é um excelente músico e compositor.
E é por isso não adianta chorar sobre o leite derramado. Talvez isso até dê uma letra de música...

Um comentário:

PATRICK MACHADO disse...

Já que a nossa macheza foi desafiada, comentemos:
Mesmo odiando a unanimidade, que, como todos sabem, é burra, tenho que concordar com Araponga. Essa Delegacia regional em Santiago, há muito, já não tinha mais razão de ser e, por isso, foi transferida no governo Olívio Dutra. Voltou para Santiago no governo germano Rigotto por... Ora! Todos sabem ou suspeitam saber o motivo. A governadora Yeda Crusius (cruzes!) está certíssima em extingüir esse elefante branco.